Mesmo atravessando dias difíceis com o avanço da Covid-19, podemos e devemos agir para conter os graves efeitos da doença e promover, por meio da alimentação, a saúde da população. Através da solidariedade e do fortalecimento emergencial de políticas públicas, os movimentos sociais, redes e organizações do campo, das águas, das florestas e das cidades que integram a Articulação Nacional de Agroecologia propõem, de maneira prática, o que o governo precisa fazer para combater as consequências desta crise.

Adicionadas às medidas de isolamento social, é fundamental que o Estado brasileiro faça valer a garantia emergencial às pessoas com trabalhos formais, informais e às desempregadas; aumente o número de benefícios do Programa Bolsa Família; isente as cobranças de água, luz, aluguel social; distribua produtos de higiene; reestabeleça de forma vigorosa o Programa de Aquisição de Alimentos da agricultura familiar, com pelo menos R$ 1 bilhão em investimentos e, ao mesmo tempo, aumente os programas estaduais na mesma linha, para ampliar a oferta de alimentos saudáveis; impulsione e reorganize a logística do PNAE, para que ele chegue à comunidade escolar em tempo de afastamento; garanta o acesso à água, principalmente às populações mais vulneráveis; suplemente os recursos à saúde indígena; e suspenda despejos e reintegrações de posse.

Entenda melhor assistindo ao filme que preparamos sobre essas medidas.

Todas essas medidas estão descritas na carta da ANA “Coronavírus: solidariedade e políticas públicas” e podem ser acessadas em www.agroecologia.org.br #ComaBem#CompreDeQuemEstáPerto#FiqueEmCasa

2 comentários

Dexe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.