É histórica a degradação ambiental ocasionado no Estado do Pará e na Amazônia pelos interesses nos recursos naturais da região: madeiras, minério, uso do solo e da água pelas empresas privadas do grande capital para gerar lucro. Um modelo de desenvolvimento insustentável ambiental e socialmente. Não é possível haver emancipação humana e sustentabilidade com utilização de trabalho escravo, desmatamento, violência física contra as populações camponesas, intoxicação e envenenamento de pessoas e do ambiente, com o uso intensivo de agrotóxicos e com a utilização das terras para especulação pelas grandes empresas. Permanece também a perseguição e assassinatos de lideranças de movimentos e organizações sociais que denunciam esta violência.

Essa destruição acontece todos os dias nessa região e é parte constituinte do processo histórico por quais as classes dominantes construíram suas riquezas em nosso território.

Neste cenário o MST e os movimentos sociais vêm resistindo e denunciando a violência e a barbárie que camponeses vem sofrendo aos olhos da sociedade com a leniência das autoridades e do Estado.

É preciso comunicar à sociedade os verdadeiros acontecimentos que estão na origem dos conflitos que vem ocorrendo no sudeste paraense promovidos pela Agropecuária Santa Bárbara, nome de fantasia do Grupo Oportunity, que tem o corrupto banqueiro Daniel Dantas como principal acionista.

_ Desde 2004, a Polícia Federal investiga os empreendimentos do banqueiro Daniel Dantas, do Grupo Opportunity.

_ Várias das terras controladas pelo grupo é formada por áreas públicas, aforadas para a família Mutran para “colonização e extrativismo”. Não poderiam ser desmatadas nem vendidas. Por isso, há ações na Procuradoria Geral do Estado devido à irregularidades.

_ Ações do MPF e IBAMA, em 2009, explicitaram as irregularidades de várias fazendas que vendiam gado para frigoríficos na região e causavam danos ao meio ambiente. Por não respeitar as regras da pecuária sustentável, a agropecuária Santa Bárbara, foi autuada por novos desmatamentos (além dos que já havia realizado antes dos Termos de Ajuste de Conduta concedidos).

_ Em 2010, O IBAMA autuou treze desmatamentos não autorizados, que somaram 2,3 mil hectares, efetuados na fazenda Lagoa do Triunfo, durante a operação Guardiões da Amazônia – Goianos IV, que acontece desde 21 de outubro em São Félix do Xingu, no sul do Pará.

_ Em outubro de 2010 a Justiça Federal em Marabá determinou a reintegração de posse para o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) de área de 826 hectares pertencente ao projeto de assentamento Cedrinho. A ação de reintegração de posse foi proposta pelo Incra, em parceria com o Ministério Público Federal (MPF), contra os autodenominados proprietários da fazenda Benedito Mutran Filho, Cláudia Dacier Lobato Pantera Mutran e Agropecuária Santa Bárbara Xinguara SA.

_ Em fevereiro de 2012, o Ministério do Trabalho e Emprego, Ministério Público do Trabalho e Polícia Rodoviária Federal, flagrou trabalho escravo numa das Fazendas da Agropecuária Santa Bárbara, e libertou 5 (cinco) pessoas em situação análoga ao trabalho escravo.

_ O último acordo realizado, os movimentos sociais cumpriram sua parte e o Grupo não cumpriu, faltando inclusive as reuniões de negociação.

Desde março de 2010, cerca de 250 famílias do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra estão acampados na fazenda Cedro e reivindicam a área para fins de Reforma Agrária sem receberem respostas satisfatórias dos Governos estadual e federal. Sempre denunciaram os crimes ambientais deste grupo na região e no estado do Pará. Em todo período de acampamento, as famílias têm sido ameaçadas e intimidadas de várias formas: com “pistoleiros” atirando por trás do acampamento, fazendo rondas pela noite e também envenenando as famílias e a produção agrícola que já se iniciou, por meio de pulverização aérea do pasto. Sempre que acontece, crianças e idosos adoecem, bem como secam as plantas.

Neste sentido nossas entidades vêm a público denunciar esta escandalosa situação à sociedade brasileira, bem como exigir dos Governos Estadual e Federal que cumpram com suas atribuições resolvendo o conflito devolvendo as terras públicas para a criação de projetos de assentamento vindo a contemplar as famílias que necessitam de terra para garantir um futuro digno e sustentável.

Comissão Pastoral da Terra – Marabá

Movimento dos trabalhadores rurais sem terra- MST- Pará

Maraba, 27 de junho de 2012

Dexe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.