Roberto Malvezzi e Érica Daiane*

Entre os dois eixos da Transposição de águas do Rio São Francisco, em direção ao território Pankará, onde o governo pretende instalar a primeira usina nuclear do Nordeste, no coração do Semiárido, uma marcha de indígenas, quilombolas, movimentos sociais, populações urbanas, igrejas, homens, mulheres e crianças, inaugura a Rio+20.

As grandes obras não resolveram o problema do povo, uma usina nuclear só tende a piorar o que já é ruim. Não queremos mais uma grande obra, dessas que destroem a biodiversidade, contaminam as águas, poluem o ar, ameaçam as pessoas e ainda podem deixar lixo atômico para as gerações que viverão nos próximos 100 mil anos.

Queremos investimentos na Convivência com o semi-árido, queremos água através das adutoras para o meio urbano, garantia dos territórios das comunidades tradicionais, agroecologia, educação, saúde e a revitalização do São Francisco.

Tudo que nos prometeram falhou. Nenhuma grande obra nos ajudou. Só temos alguns resultados nas políticas sociais simples, que chegaram dentro de nossas casas, que ajudaram a melhorar nossas vidas, lembrando que boa parte delas vieram por meio da ação da sociedade civil organizada, das ONG’s, das igrejas e não diretamente dos governos.

Venham marchar conosco. Dia 3 de junho, 6h da manhã, sairemos do trevo de Itacuruba, entre Belém do São Francisco e Floresta. Vamos inaugurar a agenda dos movimentos sociais, com mobilizações que se estenderão ao mundo inteiro.

A Rio+20 – particularmente a Cúpula dos Povos – começa no dia 03 de junho, em Itacuruba, sertão de Pernambuco.

(*) Matéria reproduzida da página da ASA Brasil – Articulação do Semi-Árido  Brasileiro.

Dexe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.